Wednesday, August 03, 2016

Nazismo e socialismo (Stanley, Viereck, Constantino)

Tim Stanley, historiador, PhD pelo Trinity College, Cambridge, conhecido por apoiar o Partido Republicano nos EUA e o partido conservador de David Cameron na Inglaterra, escreve assim:

"Tornou-se evidente que Hitler não era um socialista algumas semanas depois de se tornar Chanceler da Alemanha, quando ele começou a prender socialistas e comunistas. Ele fez isso, afirmam alguns, porque eram modalidades diferentes de socialismo concorrendo entre si. Mas isso não explica porque Hitler definiu a sua política tão absolutamente como uma guerra contra o bolchevismo - uma promessa que ganhou o apoio das classes médias, industriais e muitos conservadores estrangeiros.

Dan afirma que Hitler era um socialista com algumas reservas, que:

"O erro de Marx, Hitler acreditava, tinha sido a promover guerra de classes em vez de unidade nacional - para definir trabalhadores contra os industriais, em vez de recrutar os dois grupos em uma ordem corporativista."

No entanto, por essa mesma definição, Hitler não era um socialista. O marxismo é definida pela guerra de classes e o socialismo é realizado com a vitória total do proletariado sobre as classes dominantes. Por outro lado, Hitler ofereceu uma aliança entre trabalho e capital na forma de corporativismo - com o propósito expresso de evitar a guerra de classes.

Marxistas consideravam esta como uma das etapas do desenvolvimento capitalista e poucos no momento legitimamente interpretaram o Terceiro Reich como sendo uma sociedade socialista. O radical George Bernard Shaw, por exemplo, certamente expressou simpatia por Hitler quando ele chegou ao poder, mas mais tarde descreveu o socialismo do ditador como fraudulento - como uma forma de subornar a revolução inevitável. Ele usava, na opinião de Shaw, "o mais recente máscara do capitalismo".

De fato, enquanto os nazistas continuaram a política de nacionalização da República de Weimar, eles também privatizaram algumas coisas, também: algumas siderúrgicas, quatro grandes bancos e as estradas de ferro. O lucro gerou quase 1,4 por cento da renda do Estado 1934-38. Industriais se deram bem nos anos do nazismo, ajudado por uma política de Estado de esmagar os sindicatos e enfatizando o pleno emprego em detrimento do aumento de salários.

É verdade que a economia foi socializada na última parte da década de 1930, mas não por causa da construção do socialismo. Era para se preparar para a guerra. Política vem antes de economia no estado fascista na medida em que é difícil conceber de Hitler como um pensador econômico coerente em tudo. Ele teria feito qualquer coisa para fortalecer a sua conquista da Europa Oriental, e uma economia de comando provou ser melhor para a construção de tanques do que o mercado livre. Dado que o ditador contou com o apoio de uma burguesia que aceitava os sacrifícios que tiveram de ser feitos para defender seus lucros contra o socialismo, podemos definir o Terceiro Reich como o capitalismo abraçando os aspectos da economia socialista, a fim de defender os interesses dos capitalistas. Shaw tinha razão.

As metas de Hitler eram, de fato, totalmente contraditórias com o igualitarismo do socialismo. A ironia é que ele às vezes se utilizava de uma economia socialista para prosseguir a sua agenda. Mas, reiterando, isto ocorria porque a política tinha prioridade sobre uma teoria econômica consistente. Por exemplo, fazendas alemãs não foram coletivizadas como o marxismo exigiu. Elas foram protegidas da concorrência e o agricultor alemão era representado como o ideal ariano.

Com a guerra se aproximando, a agricultura caiu em importância e a industrialização teve prioridade. A política econômica oscilava entre esquerda e direita. Mas derrotar o movimento comunista "judeu" era a única coisa que realmente importava.

Então, como vamos explicar por que Hitler muitas vezes se autodenominava um socialista? É uma questão de moda: na década de 1920 e 1930, o socialismo era a onda do futuro e teve um efeito enorme sobre o discurso político. Muita gente usou a terminologia do marxismo sem necessariamente fazer parte dele ou até mesmo entendê-lo. E muitos governos falavam da necessidade de elevar os padrões de vida, ajudar os pobres ou mesmo gerir a economia - mas nós não os classificaríamos como marxistas. A América teve seu New Deal; a Suécia teve a sua social-democracia. Os japoneses militarizaram o país inteiro, mas assim fizeram para expandir o domínio de um imperador que eles julgavam como sendo um deus vivo, o que dificilmente pode ser concebido como um comportamento de comunistas. Na Grã-Bretanha, o governo de Stanley Baldwin gastou milhões em um programa de construção de casas e criou a BBC, uma empresa estatal. Mas Stanley não era Stalin.

Agora, os libertários dizem que chamam Hitler de socialista, em parte, para combater esquerdistas que chamando todos eles não gostam de "fascistas". Eles têm um bom ponto e é muito irritante quando a esquerda faz isso. Mas não apenas porque sua ofensiva para equiparar Iain Duncan Smith com Goebbels: porque é um abuso de os fatos da história.

No entanto, a acusação de que X ou Y é "como Hitler" continua a ser comum. E há alguns libertários que afirmam que algo só é de direita se abraça o liberalismo clássico; enquanto tudo o que concebe um papel para o Estado na economia tem sido historicamente de esquerda. Mas de direita autoritarismo certamente existe. O fascismo é a utilização violenta do Estado para alcançar os objetivos de direita: a ordem social, chauvinismo religioso, a proteção do lucro privado etc. A lição moral é que o poder corrompe todos: esquerda, direita, homens, mulheres, homossexuais, heterossexuais, preto , branco, religioso, ateu.

Vote libertário!"

----------------------------------------

O jornal The Guardian republicou, em 2007, alguns trechos de uma entrevista de Hitler, concedida ao escritor alemão George Sylvester Viereck em 1923:

“O socialismo é a ciência de lidar com o bem comum. O comunismo não é o socialismo. O marxismo não é o socialismo. Os marxistas roubaram o termo e confundiram seu significado. Eu devo tomar socialismo longe dos socialistas.

"O socialismo é uma antiga instituição ariana e germânica. Nossos antepassados alemães tinham certas terras em comum. Eles cultivavam a idéia do bem comum. O marxismo não tem o direito de se disfarçar como um socialismo. O socialismo, ao contrário do marxismo, não repudia propriedade privada. Ao contrário do marxismo, não envolve qualquer negação da personalidade, e ao contrário do marxismo, é patriótico. ""

Hum, é um socialismo meio olavete...

E, por fim, uma citação feita por R. Constantino e que o vlogueiro N. Moura repete, sem citar o Constantino, o qual, por sua vez, não cita de onde tirou isso:

O próprio Hitler teria confessado: “Não sou apenas o vencedor do marxismo, sou seu realizador”. Hitler diz ainda: “Aprendi muito com o marxismo e não pretendo escondê-lo”.
Descobri de onde saiu essa citação. Saiu do livro de Hermann Rauschning. A maioria da comunidade cientifica em historia considera o livro uma fraude completa, e esta citação é um evento isolado em completa contradição com inúmeras outras fontes.

Referências:

Artigo de Tim Stanley:
http://www.telegraph.co.uk/history/11655230/Hitler-was-not-a-socialist-even-if-he-did-stash-champagne.html

Entrevista com Hitler, concedida a George Sylvester Viereck em 1923 (The Guardian):
https://www.theguardian.com/theguardian/2007/sep/17/greatinterviews1

P. 114 do livro de Hermann Rauschning, com parte usada por Constantino:
https://archive.org/stream/VoiceOfDestruction/VoiceOfDestructionJr#page/n114/mode/1up


1 comment:

MrRaahc said...

http://m.folha.uol.com.br/colunas/joaopereiracoutinho/2016/08/1808234-comunismo-e-fascismo-sao-gemeos-ideologicos-contra-a-democracia-liberal.shtml?mobile