Friday, October 13, 2006

Exercitando o nonsense

Aviso: fique tranqüilo, leitor, este texto não será non-sense.

Quero falar um pouco de minha história com o non-sense. Meus primeiros contatos conscientes com tal fenômeno foi com cerca de uns doze anos de idade. Lembro-me bem, era um filme de comédia: Top Secret. Coisa da década de 80. Não chegava a ser um Monty Python, com sua fama e chiqueza. Porque Monty Python é uma coisa fina, respeitada. Não, filmes como Top Secret, Apertem os cintos que o piloto sumiu!, Top Gang, Corra que a policia vem , e outros mais do mesmo estilo, estavam mais para o trash movie do que a finesse e a sutileza consagrada de Monty Python.

Mas foi meu primeiro contato com o non-sense. Tudo valia. Misturar alhos com bugalhos e mostrar sempre que possível algo que não tem nada a ver: no meio da confusão em que o avião está caindo, uma mulher balançando os seios para a câmera; depois de uma série de explosões, um carro velho aparece do nada e explode muito pior ainda; ou extraterrestres, vindo do espaço, do nada, que de repente, sem o menor sentido, salvam o protagonista no momento fatal - essa é da Vida de Brian (Monty Python).

O humor era algo absurdamente valioso em minha família. Meu pai era tido como um sujeito engraçado e Cako, meu irmão mais novo, foi simplesmente o sujeito mais engraçado que eu e muita gente conheceu nessa vida. , desde muito cedo, eu também queria ser engraçado como Cako. Mas tive de desenvolver meu próprio estilo. Não bastava imitar. Ficava muito limitado e não tinha a mesma graça. E meu próprio estilo, nessa história de humor, se é que um dia ele existiu, começou a brotar com uma grande inspiração no non-sense. Achava aquilo o máximo: não ter a obrigação de fazer ninguém rir. Fazer humor de cara séria, sem sorrisos desnecessários, sem abrir os dentes para que a maldade do mundo se aproveitasse e lhe desse um soco na boca.

Comecei a entender tudo, assistindo a filmes non-sense. Melhor não ser compreendido, do que ser compreendido na falta de graça. Era não depender de ter uma cara de palhaço. Não precisar aproveitar-se de um defeito físico ou uma medida excessiva (narigudo, cabeçudo, orelhudo...). É fazer humor de cara limpa e com sobriedade. Criar tensão. Deixar algo no ar. Não completar. E claro, surpreender, sempre. É um exercício constante de descontinuidade.

Essa coisa do non-sense é tão pungente em mim que vez ou outra eu toquei, cultivei, estudei, escrevi e exercitei o negócio. Tanto no meu mestrado, sobre a experiência poética, quanto no meu doutorado, sobre a ironia, escrevi tópicos inteiros sobre o non-sense. E também quando fui supervisor de uma oficina de criatividade na universidade, estava o bichinho. Fora o fato de eu sempre ter relacionado a poesia com o humor. Sempre pensei que uma poesia, por mais séria que fosse, funcionava de modo parecido com aquilo que nos faz dar risadas. me graduei em Psicologia, e fui para a Unicamp. Entrei no IEL (Instituto de Estudos da Linguagem) e me matriculei emTópicos em Análise do Discurso”. Durante a maior parte desta disciplina estudamos os operadores lingüísticos do humor. Ou seja, o que nos faz rir em uma piada.

Li tudo o que eu era capaz de ler sobre o assunto. E sempre estava a lanterna do non-sense a iluminar meu caminho. “Para fazer boa poesia não procure dizer nada. Se quiser flutuar, tente afundar. O não-sentido é o ninho gerador do sentido”. E assim eu caminhava por entre contra-sensos e não-sensos, fascinado com as dinâmicas insólitas e contraditórias do espírito e do universo.

Muito antes da oficina de criatividade, eu cultivava a comunicação e a expressão non-sense. Para mim, o non-sense é pai do humor e da poesia. Lembro-me de uma vez, com alguns colegas da Psicologia da UnB. Era uma reunião de amigos na chácara de um professor. Descemos até a piscina, e em um grupo de umas cinco pessoas, no escuro, somente sob a luz da lua, começamos a conversar e fazer movimentos corporais non-sense. Aquilo foi magnífico. Muitos deixaram inclusive que o próprio corpo fizesse movimentos non-sense. Houve alguém que correu como um jogador de futebol para o gol, narrando seu próprio jogo e, antes, parou para botar um ovo, antes de fazer o gol. Um lance típico de um Garrincha em tempos de lua e torcida admirada a engolir picolés de alegria e olhos de delírio no gozo um gol samba na alma. Naquele dia muitos de meus colegas psicólogos puderam experimentar uma forma libertadora de expressão.

Ainda antes da oficina, lembro de Diogo, com 12 anos, filho prodígio de uma amiga minha. Era clima de férias, em Pirenópolis, e ele ficou fascinado com a brincadeira. Não queria parar. Ficamos horas e horas falando non-sense. Atingimos outros níveis. Nossa consciência e percepção se alteraram. O mundo se transmutou. Nossa fala fantástica nos conduzia a outras dimensões. Não havia medo do destino de nossa expressão. É um exercício muito interessante e varia muito conforme o tempo em que nele permanecemos. O corpo começa também a participar e, quando percebemos, estamos atuando de forma completamente ridícula ou bizarra, em coreografrias absurdas e livres. Intensamente livres. E este é seu resultado: a fluência, a fluidez, o desbloqueio de energias, no corpo, na cabeça e na língua.

, depois, teve a oficina de criatividade e o tanto que eu e alunos nos deliciamos com aquilo tudo. Hoje, dois anos depois da oficina, eu estava dando aula sobre linguagem e pensamento, mais especificamente sobre a afasia. Vimos dois tipos: a Afasia de Broca e de Wernicke. Na primeira, há deficiência na capacidade sintática. Na segunda, a deficiência é nas palavras de conteúdo ou palavras-chave. Em uma, o sujeito somente fala as palavras-chave e na outra o que falta é justamente isso.

De repente, fui percebendo o quanto a poesia é uma forma de expressão cambeta. É expressar-se como se estivesse faltando algo. Ressaltar somente uma parte da linguagem e daí poder dizer o que nunca foi dito. Enfim, percebi que os haicais sofrem de afasia de Broca e que brincar de esquizofrenês (falar non-senses) tinha algo a ver com a afasia de Wernicke.

Então passei um exercício que gosto muito: escrever uma frase, cheia de sintaxe, complexa, descontínua, non-sense e infinita.

Exemplo:

“Estou agora aqui voltado para os montes claros da minha visão enluarada de sabiás para poder cantar a vida das vacas que rodearam meu sono por toda a eternidade de pastos de alegria e sabor de nuvens por entre as pernas da sabedoria divina dos amores que vivi no horizonte do ventre da rua que se abriu de sua boca para me contar um sonho de amanhã e luz em meu coração de pedra carcomido pelo véu da noite de minha lucidez...”

Ou, como pude escrever antes, em um texto chamado Pornografia:

Olhos de olhar o deserto arrumado na casa das fomes de pedir saladas de peles retorcidas nos lençóis da esperança prometida num instinto esquecido. Sonhos de escalar corpos, vidas de sodomizar vultos, sombras de falos falantes, cavidades obscuras de cheiros e harmonias de tempestivas mucosas flamejantes, cuspidoras de beijos e melodias peristálticas. Tradições ejaculatórias da divina vulva eternizada no arcabouço das ereções indubitáveis do jorrar vulcão das vermelhas entranhas que explodem por entre as pernas escancaradas da memória do primeiro dia de vida.”

, o mais interessante é ver os alunos praticando, estimulá-los. Quando conseguem se entregar, percebem que qualquer um de nós é capaz de expressar-se, de dizer o que pensa e o que não pensa, de ir além do pensamento, de poder comunicar-se de modo mais visceral, mais próximo da riqueza das metáforas e do sentimento. Produzem, com este exercício, a forma bruta da poesia, ainda em estado puro, sem lapidação, e ficam maravilhados, como se tivessem encontrado pepitas de ouro das possíveis expressões humanas. Sentem-se fluidos. Algo saiu. E desse algo, dessa lama de expressão, podemos tirar pérolas. A última vez em que fiz este tipo de exercício foi em uma aula de processos psicológicos básicos, sobre linguagem e pensamento, afasias. Foi uma boa oportunidade para aprender e nos divertir. Tivemos algumas pérolas, algumas locuções insólitas, que deixo aqui registradas:

Gaivotas enluaradas

Boi voando pro arco-íris de meus olhos

No sótão do pensamento de cabelo arrepiado

Jogo de escada

Raio da bondade

No caminho do horror

Brasa fundamental

Rádio aberta da novela da matraca sem fim *

* Esta chamou muito nossa atenção. Foi de Flávia Holanda. Aliás, uma bela definição para sogra.

E assim foram aprendizes para sempre... do caos que nos governa, e das montanhas de sorrisos que construímos em nossa aurora, para podermos às vezes voar nossa mente com os passarinhos da liberdade de expressão...

5 comments:

Gustavo Arruda said...

Que barato esse texto! Realmente me senti completamente nostálgico, aliás nostalgia é bastante non-sense e talvez merecesse alguns milésimos de segundos de seu transbordamento ence-fálico.
O exercício non-sense deve ser praticado entre as mais diversas rodas de amigos e profissionais da linguagem, ou seja, todo mundo.
É realmente desinteressante e desagradável, depararmo-nos com grupos de pessoas perdendo seu tempo em conversas políticas, futebolísticas, artisticas, enfim uma verdadeira masturbação mental, com discursos lineares, imutáveis, racionais e copiados de outrem.
EXPRESSÃO NON-SENSE JÁ!!

Su said...

Mas você acaba de me abrir um horizonte, cara... Brigada, viu!

Yoda said...

Estou no meio de "Exercitando o non-sense". Como sempre, você me assusta. Existe alguma coisa meio-malévola, no bom sentido, de causar um certo pavor controlado. Já te falei do Poe e do Lovecraft. Agora veio seu lado Oliver Sacks pra me causar mais inquietação. Talvez seja por isso que eu odeie tanto o Rio e a Baixada. Tudo é por demais "with-sense" por aqui. Segundas, terceiras e milésimas intenções em cada gesto, em cada palavra. Um baile de máscaras onde todo o apego sabe apenas o que quer.

Grande abraço,

Yoda

P.S.: continuo no "exercitando", mas devo dizer que me está assustando, inda mais com essa música do Akira no fundo.

Hiro said...

Oi Cako,

No Orkut, como sempre, existem comunidades non-sense geniais. alguns exemplos:


Rinhas morfossintáticas no gel
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=12908142

Bolotas monoelétricas em Utah
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=4808206

Maratona de Tetris Humano
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=2842136

O menino que chora lava
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=3124456

O Homem que Mudou de Filo
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=3346332

Doação de Chakras
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=17910535

Bário me deixa possessivo
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=4419538

Tua estirpe não vingará! (1,862 members)
Criado há mais de um século pelo colombiano Mário G. Rosario, comendador de San Jamílton, o "Suya estirpe no vingará!" (vertido magistralmente para o português por Monteiro Lobato em 1946) foi eleito pela CFA/Forbes como o melhor impropério praguejante do ocidente, batendo grandes clássicos como "Bebe tu mesmo teu próprio veneno" e o renomado "Vá de retro, sua muxiba de Pirarucu". Com a vitória, a injúria ganhou o direito de competir em dezembro deste ano pelo cinturão de ouro do World’s Finest Curses, enfrentando o romeno "Yak adak mirvna" (que, chulamente, permite-se traduzir por "Você não passa de um saco de lixo orgânico animado, seu parvo comedor de bosta”) na Grande Final de Xangai, o mais aguardado embate dos últimos tempos.

Apesar do talento e técnica que apresenta o “Tua estirpe”, os descendentes do comendador Rosário evitam falar em favoritismo, ratificando apenas a grande honra que é descender de um gênio e a extrema sorte que é poder parasitar sua obra sem escrupúlos ou alinhamento filosófico.


Gostei muito do blog, voltarei mais vezes. ;)

Alessandro said...

"Tua estirpe não vingará!". Ca-ra-lho, aí soube que notas flamejantes puderam imprimir a noção de que fazer non-sense é juntar qualidades inexeqüíveis a sujeitos improváveis, juntar o "im" (ou "in") com o "pró", misturar o chá com pó, couro e filó pra fazer gibão de bicho preguiça. Saca que saco é sacar o sentido! Putz!